29 de janeiro de 2014

Sete – Guardando o segredo

-Oh my God!- era o Bryan, que se encontrava de boca aberta como se tivesse visto uma cena super anormal.

Eu e Zac nos levantamos rapidamente um pouco assustados, já que não queríamos que ninguém mais soubesse que havíamos voltado.

-Bryan, olha, calma, ok?- eu disse o mais paciente possível.

-O que significa isso Vane? Você e o Zac se pegando aqui no estúdio? Ele não é seu ex? E o Austin? Vocês terminaram? Gente, eu tô passada aqui. O que foi que eu perdi?- ele parecia uma maritaca.

-Olha, deixa só a gente trocar de roupa e nós explicamos tudo, ok?

-Tudo bem. Mas andem logo. Estou esperando vocês na minha sala.

Eu e Zac corremos para o camarim e logo vestimos nossas devidas roupas. Fomos de mãos dadas até a sala de Bryan, e quando lá chegamos nos deparamos com uma bicha hilária que mantinha no rosto uma expressão confusa e engraçada.

-Podem comaçar a se explicarem. - Bryan disse olhando para nós dois que estávamos abraçados.

Comecei contando a ele tudo. Bom, quase tudo, claro que não contei todos os detalhes, né? Só o básico mesmo.

-Esse Austin é um cachorro. Ah quando eu vir ele vou arrancar aquilo que ele chama de bolas.

Eu e Zac disparamos a rir de Bryan. Ele era hilário. Um comediante e tanto.

-Mas, Bryan. Agora que você sabe de tudo, nos prometa que ninguém vai saber de nós dois?- fui direto ao assunto mais importante.

-Como? Vocês querem continuar ficando as escondidas? Vocês tem ideia do sucesso que será quando a Notícia “Zanessa está de volta” se espalhar por aí?

-Claro que temos, Bryan. E esse foi um dos motivos da nossa decisão. Primeiro vamos acertar as contas com Austin. Depois que passar um tempo, contamos sobre nossa volta. Não quero que minha Baby V fique com fama ruim por aí. Sabe como o povo é né? Vão começar a dizer que ela mal saiu de um relacionamento e já entrou em outro. Não quero que ela se prejudique por causa disso. Vamos dar tempo ao tempo. - foi a vez de Zac falar e confesso que até me emocionei com suas palavras.

A única coisa que consegui fazer foi olhar profundamente naquelas safiras brilhantes e logo beijar aquela boca doce e macia, me esquecendo completamente que não estávamos sozinhos.

- Ai que cena mais fofa. Eu prometo que não contarei nada a ninguém. - assim que ouvimos isso, eu e Zac nos separamos sorrindo e eu logo corri para abraçar o Bryan, que mantinha nos lábios um largo sorriso de satisfação.

-Obrigada por manter nosso segredo Purpurina. - o chamei por seu apelido carinhoso.

-Sei que Zac é o cara certo pra você, aliás, sempre fui do time Zanessa.

-Acho que todos são do time Zanessa. E é claro que eu nunca mais vou cometer a besteira de deixar meu Baby Boo novamente.

Zac me abraçou por trás beijando o topo da minha cabeça.

-Eu nunca vou te deixar ir novamente minha princesa.

O que dizer depois disso? Nada, simplesmente nada. Zac entendia tudo o que eu queria dizer apenas com um olhar.

23 de janeiro de 2014

Seis – Uma ideia brilhante

-Zac, o Austin disse que volta amanhã. - estávamos em sua nova casa, por minha sorte ninguém me viu entrando.

-E... O que faremos?- ele perguntou enquanto enrolava seu dedo em um cacho do meu cabelo.

-Tenho uma ideia. E preciso da sua ajuda. – sorri maliciosa.

-Lá vem. O que você tá aprontando, Baby V?- ele questionou sorrindo.

-Sabe Baby Boo, eu vou fazer um ensaio fotográfico hoje à tarde. E sabe... O fotógrafo disse que seria com algum modelo, só que esse modelo ficou doente e não vai dar pra ele ir. Então pensei que...

- Eu podia ser esse modelo. - ele completou minha frase. - Você é louca?

-Só um pouquinho. De um jeito ou de outro, todos vão saber que voltamos, mas quando as fotos saírem e todos começarem a perguntar se voltamos, vamos dizer que apenas voltamos a sermos amigos. Depois que eu terminar com o Austin e quando acharmos que é a hora certa, nós anunciamos nossa volta.

-Apesar de achar sua ideia uma loucura, eu vou te ajudar só para aquele imbecil aprender a não te desrespeitar de novo. Mas devo confessar que será maravilhoso tirar fotos com você novamente. 

-Ai é? Mas sabe o seria maravilhoso agora? – perguntei sentando em seu colo.

-O que?- ele sussurrou passando as mãos em minha cintura, subindo por minha coluna e parando em minha nuca, me puxando para mais perto deixando nossas testas coladas.

-Um beijo que só você sabe dar. – eu disse a poucos milímetros de sua boca.

Num movimento rápido ele me deitou no sofá e me beijou com luxúria e amor e eu correspondi ao beijo com a mesma intensidade.

****************************************************************************

- Bryan eu consegui um modelo para fotografar comigo.

Bryan é o fotógrafo com quem irei fazer o ensaio, e só pra constar, ele é gay. Gente, ele é hilário.

-A sério fofa, quem é o bofe?

-Um amigo meu. Quando ele chegar, você vai saber. - eu disse misteriosa.

-Vane, conta vai. Vai querer deixar a bicha aqui morrendo de curiosidade?-perguntou fazendo drama.

-Vou sim... - eu ri, mas logo me calei ao ouvir alguém batendo na porta do camarim. - acho que é ele.

Não sei de onde essa bichinha tirou tanta rapidez pra abrir uma porta. Assim que a porta se abriu surgiu nela o meu príncipe de olhos azuis. Era ele. O Zac. Segurei pra na rir foi da cara que Bryan fez ao ver Zac.

- Espera... Mas... Você é o Zac... Zac Efron... O ex da Vanessa. Como é que... - Bryan dizia sem acreditar e tentando racionar.

-Não seja mal-educado Bryan. Deixe o Zac entrar. - eu disse dando um risinho ao ver que Zac também prendia o riso.

-Oi Baby V!- ele se aproximou de mim e me beijou na bochecha, deixando Bryan de boca aberta.

-Oi Baby Boo. – retribuí o beijo, mas dando o beijo propositalmente no cantinho de sua boca, o fazendo agarrar minha cintura.

-Gente, para o mundo que e quero descer. Como assim? Baby V? Vanessa você não gosta de ninguém mais te chame assim há uns três anos. E Baby Boo? Que intimidade é essa? E Zac, você tá um baita de um mau caminho hein?! – ele disse sem nem um pingo de vergonha na cara.

-Mais respeito hein Bryan!- eu disse fazendo bico e o Zac só rindo.

-Mas e então? Vai me explicar o que é isso?

-Oras nada demais. Eu apenas vou fazer o ensaio fotográfico com meu melhor amigo. O que tem de errado?

-O que tem de errado? Cara, vocês dois namoraram por cinco anos, de repente se separaram, não se falaram nunca mais e agora ele são melhores amigos! Isso é bizarro!

-Aff, deixa de drama bichinha! Vamos tirar logo essas fotos. - eu disse e coitadinho do Zac, só ouvia.

-Tem um probleminha darling.

-O que foi Bryan?

-É um ensaio com fotos sensuais. Seu namorado não vai gostar nada disso, Vanessa. Ele já brigou com você por você aceitar fazer essas fotos e quando ficar sabendo que foi com o Zac ele vai pirar!

-Eu quero é que o Austin se exploda. enquanto ele está comendo uma vadia nesse exato momento, eu fico aqui tirando fotos sensuais com meu melhor amigo super gato. Que tal te parece?- perguntei irônica.

-Nessa... - o Zac sussurrou com uma voz preocupada.

-Não zac, tá tudo bem. - eu o abracei e beijei seu peito.

-Er... Vamos então?- Bryan perguntou.

-Claro. Quero fotos com as poses mais sensuais possíveis. – eu disse maliciosa, ainda abraçada ao Zac e arranhando de leve sua cintura por cima de sua camisa.

Minutos depois já estávamos dentro do Studio. Começamos com fotos mais leves. Algumas apenas eu. Outras apenas o Zac. Depois de uns dez minutos, fomos trocar de roupa. Vesti uma lingerie preta rendada com detalhes em vermelho e dourado, enquanto Zac estava com uma boxer vermelha. Realmente era um ensaio muito sexy, mas era para divulgar uma nova marca de peças intimas tanto femininas como masculinas. E bom, claro que eu ia aproveitar né?! Bryan dizia como devíamos fazer e nós apenas obedecíamos.

-Agora Vanessa se aproxime do Zac com uma cara bem safadinha, e Zac segura ela pela cintura e coloca uma mão na parte de trás de sua coxa.

Assim fizemos essa e várias outras fotos ousadas. Depois de umas vinte fotos, a sessão terminou.

-Bom, a sessão já terminou. Agora eu tenho que ir para minha sala para fazer os ajustes finais e mandar para a dona da loja. Podem trocar de roupa e, por favor, fechem a porta quando saírem. Tchauzinho meus queridos!- Bryan disse piscando e mando beijinhos no ar para mim e Zac, que só ria da situação.

-Bom... Tarefa comprida. Quero só ver a cara do Austin quando ele vir essas fotos. - eu disse com um sorriso no rosto enquanto me aproximava de Zac, arranhando de leve seu peitoral.
-Ele com certeza vai odiar essas fotos, mas em compensação eu amei fazê-las. – ele sorriu safado e me puxou para mais perto.

-Aé? E por que gostou tanto hein?!- fiz a minha melhor cara de inocente enquanto deslizava minhas mãos por toda a extensão de sua coluna.

-Talvez porque tive como parceira uma mulher extremamente linda, sexy e tudo de bom e mais um pouco. - ele sussurrou roucamente em meu ouvido, enquanto passava as pontas de seus dedos em minha cintura numa carícia enlouquecedora.

-Zac... - sussurrei em meio a um gemido assim que ele começou a traçar uma linha de beijos e lambidas da base do meu pescoço até o lóbulo de minha orelha.

Começamos a nos torturar ali mesmo. Zac com suas carícias que me deixavam louca e eu com meus gemidos que o fazia estremecer. Zac começou a roçar de leve seus lábios nos meus, quase que numa brincadeira. Eu apenas resmungava pela falta de contato de seus lábios nos meus em um beijo “caliente”. Não aguentando mais aquilo, deslizei rapidamente minhas mãos pela coluna do meu loiro indo até a base da sua boxer. Arranhei sua cintura e logo tratei de enfiar minhas mãos por dentro de sua cueca, apalpando e apertando sua bunda. Deixando um gemido baixo escapar dos lábios, Zac me agarrou com mais força ainda, fazendo nossos lábios se conectarem em um beijo urgente e cheio de desejo.

Esse beijo nos levou até um puff que havia no estúdio. Zac estava deitado entre minhas pernas, que rodeavam sua cintura, deixando nossos corpos completamente colados. Seus lábios percorriam todo o meu pescoço, enquanto minhas mãos se afundavam naquele cabelo loiro liso e macio, que já se encontrava mais desalinhado que o normal.

Nenhuma palavra era dita, naquele lugar só se ouviam gemidos baixos ao pé do ouvido. Quando Zac começou a desabotoar a parte de cima da minha lingerie, ouvimos a porta se abrir e um pequeno grito vindo da boca de um ser que eu queria matar por ter atrapalhado o meu momento com meu homem. 

17 de janeiro de 2014

Cinco – Nada foi um sonho, mas ainda há um pesadelo

Dor e tristeza eram os meus únicos sentimentos no momento. Não consegui acreditar que tudo não passou de um lindo sonho. Mas todos os meus pensamentos foram interrompidos pelo rangido da porta se abrindo e dela aparecendo um lindo rapaz com duas safiras brilhantes. Então nada foi um sonho. Zac realmente esteve aqui e ainda estava.
Ele sorriu pra mim tão lindamente que senti todo o meu corpo se derreter por dentro. Trazia nas mãos uma bandeja de café da manhã e a colocou ao meu lado na cama.

- Pensei que tudo não tivesse passado de um sonho. Quando acordei e não te vi aqui, pensei que... Estivesse novamente sozinha e tive tanto medo.

Ele deu um singelo sorriso e acariciou minhas bochechas com seu polegar.

-Você nunca mais estará sozinha. Eu prometo que sempre estarei ao seu lado, pro que der e vier.

Sem pensar duas vezes colei meus lábios nos seus, num beijo calmo e terno.

Alguns dias se passaram desde a minha volta com Zac. Ninguém além de Ashley sabia do ocorrido, até por que Austin ainda não havia voltado de viajem para que eu pudesse terminar nosso namoro. Enquanto isso não acontecia, eu e Zac nos encontrávamos as escondidas sempre que podíamos. Ainda não tínhamos nos envolvido intimamente, pois concordamos que nosso amor não se baseia no prazer carnal e sim em gestos carinhosos e palavras de amor. Decidimos começar tudo do zero e daríamos tempo ao tempo.

-Oi meu amor!- assim que ouvi a voz do outro lado da linha fiz cara de nojo.

- Oi Austin!- disse seca

- O que foi amor? Que voz é essa?- que sínico.

- Quando você volta?- perguntei o mais doce possível.

-Provavelmente amanhã. Já está com saudades gata?- se pensamento matasse, ele já tava duro no chão e provavelmente debaixo de sete palmas da terra.

-Você não tem ideia do tamanho da minha saudade. – eu falei com um sorriso diabólico nos lábios.

- Quando eu chegar aí, mato toda sua saudade querida. O quarto vai pegar fogo. – como eu consegui namorar esse cara?!

-Preciso desligar agora. Aula de yoga, a Stella está me esperando. Bye, bye!- desliguei na cara dele e soltei uma gargalhada.


É claro que menti pra ele. Mas qualquer coisa valia mais a pena do que ficar escutando coisas vindas da boca nojenta de Austin.

Divulgações: Last Kiss - http://lastkisszanessa.blogspot.com.br/
                       Give Me Love - http://ficzanessa.blogspot.com.br/

15 de janeiro de 2014

Quatro - Uma nova chance ou apenas um sonho???

-Zac, o que você quer dizer com isso?-perguntei próxima demais de seu rosto.

-Quero dizer que ainda sou loucamente apaixonado por você e que se você me aceitar de novo em sua vida, eu farei de tudo para te fazer feliz e para nunca te magoar. - ele disse baixinho, com a testa colada na minha e olhando em meus olhos.

Por instantes fiquei hipnotizada olhando para aqueles lindos olhos azuis. Um sorriso se abriu em meus lábios, assim que senti uma mão grande e macia acariciando minha bochecha.

-Zac... Como você ainda me quer depois de tudo o que eu te disse?

-O meu amor por você é maior que qualquer coisa no mundo. Eu sei que deixei a desejar o nosso namoro. Sei que errei por aceitar tantos papeis para filmes muito próximos. Sei que nos distanciamos por minha culpa, e é por isso que eu quero uma segunda chance. Me perdoa, Nessa? Me desculpa por não ter te dado toda a atenção e o amor que você merece. - ele disse tristemente, enquanto duas pequenas lágrimas escorria de seu olho direito.

-Você não tem culpa sozinho. Um relacionamento funciona com duas pessoas. E eu também errei. Errei mais ainda por não lutar por nosso amor. E tudo o que eu mais quero é poder esquecer esses últimos três anos e viver feliz ao seu lado. Quero apenas ser Zanessa novamente!

Nós sorrimos um para o outro. Zac me virou, fazendo com que eu sentasse em seu colo com uma perna de cada lado da sua cintura. Ficamos com os corpos colados, ele com as mãos em minha cintura e eu com uma mão em seu peitoral e outra na sua nuca. Ele subiu uma mão pela minha coluna, por debaixo da minha blusinha de pijama, e logo depois, fazendo com que eu amolecesse em seu colo. Soltei um baixo gemido quando senti sua respiração quente e seus lábios macios e frios contra o meu pescoço, onde ele traçada uma linha de beijos até a minha mandíbula, seguindo para o queixo. Eu ansiava por seu beijo e quando sua boca estava bem próxima da minha, puxei-o ainda mais para perto de mim e ternamente encostei meus lábios nos dele. Apenas uma vez. Ele retribuiu com um leve toque. Uma. Duas. Três vezes. Na quarta vez, não conseguimos mais nos afastar e nos rendemos ao beijo. Corri minhas mãos para pelos seus cabelos e ele desceu sua mãe novamente para minha cintura, apertando-a com mais força. Enquanto ele recuperava o fôlego, respirando intensamente, eu percorri seu pescoço, deixando um rastro de beijos até o fino lóbulo de sua orelha. Ele retribuía todos os movimentos, e eu senti que controlava seus impulsos ao arfar no meu ouvido. Beijos e mais beijos vieram logo em seguida e quando nos demos conta, já estávamos deitados na cama. Eu em cima dele, acariciando todo o seu peitoral e ele com uma mão em minha bunda e outra em meus cabelos.

Há muito tempo eu não sentia um carinho assim, ao mesmo tempo quente e tão doce. Austin não é assim. Ele só liga para o prazer carnal, nunca se importou em satisfazer meus desejos como mulher apaixonada, que gosta de mimos, cheirinhos, carinho. Ele dificilmente me elogia, sempre se preocupa somente com sua própria aparência diante das câmeras. Onde eu estava com a cabeça, quando tirei o Zac da minha vida? Ele é perfeito, o cara dos sonhos de qualquer garota, foi o meu primeiro amor e sempre me deu tudo o que eu preciso pra ser feliz.


Acordei sentindo-me leve como uma pluma, mas temi que tudo o que aconteceu não passasse de um sonho. Passei minha mão esquerda pela outra parte da cama e não encontrei Zac nela, o que fez meu coração se contrair em uma dor aguda. Algumas lágrimas se formaram em meus olhos e o medo de estar sozinha novamente se apoderou de novo o meu corpo. 

14 de janeiro de 2014

Três - Não choro por ele

-Zac? O que você está fazendo aqui?- perguntei com os olhos arregalados, mas muito feliz por dentro.

-Eu respondo tudo o que você quiser, mas, me deixa entrar? Tô quase congelando aqui fora. - ele disse tremendo de frio.

-Claro, entra. - eu o puxei para dentro da sala, que só estava clara por causa da lareira. - Espere um minuto.

Corri até o quarto e peguei algumas toalhas para secá-lo.

-Você vai pegar uma baita duma gripe. - eu disse enquanto o enxugava.  Nem fechei a boca direito e ele logo espirrou. Maldita seja a minha boca. – Você não pode ficar com essas roupas, estão encharcadas. Eu... Vou ver se tem algo que te sirva... Lá em cima.

Voltei até o quarto já sabendo que não teria nada que serviria nele. Peguei outra toalha seca e alguns cobertores e desci.

-Olha, não tenho nada aqui que te sirva. Enrole essa tolha na sua cintura e depois se enrole nesses cobertores. Eles irão te aquecer. Mas primeiro, vá tomar um banho quente.

Ele nada disse apenas foi para o banheiro e logo ouvi o barulho do chuveiro ligado. Voltei novamente para o quarto e arrumei a cama para que ele pudesse se deitar. Fiquei o esperando por longos dez minutos e ouvi ele me gritar.

-Estou aqui no quarto!- gritei para ele.

Ele logo entrou no quarto com a toalha na cintura. Ele estava com o cabelo molhado, o deixando sexy demais. Seu peitoral estava à mostra, o que me deixou sem ar.

- Deite-se aqui. Você precisa se aquecer.

Ele deitou na cama e eu logo tratei de o cobriu até o pescoço com uns três cobertores.  Depois fiquei o olhando atentamente, sem saber o que fazer.

-Er... Por que você está aqui?- perguntei um pouco sem graça.

-Por você!- ele respondeu sorrindo pra mim.

-Por mim? Mas... Por quê?- eu estava completamente confusa, mas ao mesmo tempo feliz por ter ele tão perto de mim.

-Vanessa, eu te disse a três anos que eu sempre estaria aqui para você. E já sei o que o Austin te fez e suponho que você não esteja bem. E bom, eu sei que você morre de medo de tempestades.

-Zac... Eu... - eu não sabia o que dizer. Sem ao menos perceber, comecei a chorar novamente e logo o senti me abraçando.

Quanta falta eu senti desses braços. Zac tinha o poder de tirar qualquer medo e insegurança existente em mim. Seu abraço era aconchegante e acolhedor. Seu cheiro suave tranquilizava minha alma e seu calor aquecia o meu coração.

-Não chora Baby V. Esse cara não merece suas lágrimas. - ele afagava meus cabelos.

-Não choro por ele, Zac. E sim por ter sido tão burra ao terminar meu namoro com você.  Se eu não tivesse acabado com tudo, tenho certeza que hoje estaríamos felizes e eu não me sentiria um lixo, assim como eu me sinto agora.

O Zac me soltou e tirou as cobertas de cima de si, e logo me colocou em seu colo, nos cobrindo em seguida.

-Se você quiser, ainda podemos ser muito felizes juntos. – ele sussurrou em meu ouvido, me fazendo estremecer.


Ao ouvir o que ele disse, senti meu sangue congelar e meu coração parar de bater.

13 de janeiro de 2014

Dois - Descobrindo a verdade

Eu já estava atrasada para minha aula de yoga.  Guardei tudo de volta na caixa com muito cuidado e a escondi. Tomei um banho rápido e coloquei uma roupa confortável de ginástica. Não me esqueci do meu precioso bracelete, o Love Cartier. Sim, foi o Zac que o me deu, mas eu simplesmente não consigo ficar sem ele. Todo mundo me pergunta o porquê ainda o uso e eu já dei cada desculpa mais esfarrapada que a outra, mas não ligo. Esse bracelete ninguém me tira.

O dia passou, a noite chegou e minha festa foi maravilhosa, tirando o fato da pessoa mais importante não estar ali. Me diverti muito e devo admitir que até bebi mais do que devia.  No dia seguinte acordei com uma enorme dor de cabeça.  Recebi uma mensagem de Austin dizendo que ele tinha viajado logo pela manhã para Boston, para ver seus pais. À tarde, fui até a casa de Ashley, depois de receber sua ligação.

- Ainda bem que você chegou. Tenho uma coisa muito importante pra te mostrar. – disse Ashley.
- O que foi Tizz? Parece que viu um fantasma.
-Amiga você sabe que te amo e que só quero o seu bem não é?
- Desembucha Ashley. – eu já estava ficando impaciente e assustada.
-O Austin. Ele mentiu pra você.  Ele não foi para Boston apenas para visitar os pais. Ele foi se encontrar com a amante dele.
-Com quem?- meus olhos se arregalaram.
-Isso mesmo amiga. Eu estava desconfiando já faz alguns dias. Mas só ontem tive a certeza. Já tem quase cinco meses que ele se encontra com uma coroa em Boston.
- O que? Ashley? Você endoidou? O Austin me ama e nunca me trairia. - eu disse tentando convencer a mim mesma.
-Acredita em mim, amiga. Só quero o seu bem. Você sabe disso, não é?- perguntou suplicante.
-Sim Ashley. Acredito em você. Mas... Como é que... Você sabe disso?
-Ontem depois da sua festa, enquanto eu dava um banho gelado em você, já que você bebeu além da conta, ouvi o Austin conversando no celular. Ele dizia com a pessoa que ia viajar para Boston para se encontrar com ela e que teriam uma longa noite de sexo selvagem do jeitinho que eles gostam. Ele disse que se você não percebeu nada em cinco meses, não seria agora que você iria descobrir e que sempre dá a mesma desculpa e você cai igual um patinho.
Me senti a pior pessoa do mundo.  O meu namorado me trai enquanto eu fico sofrendo calada por um amor que jamais desapareceu do meu coração. Maldito foi o dia em que aceitei o pedido de namoro de Austin. Maldito dia em que eu resolvi terminar tudo com Zac por puro egoísmo meu.
-Me sinto um lixo Ashley. - comecei a chorar, não por Austin e sim por não ter o Zac agora.
-Amore, não fica assim... Eu... Não queria te fazer sofrer. - ela me abraçou forte.
-Não é sua culpa eu ter sido tão burra durante esse tempo. Se eu tivesse com o Zac nada disso estaria acontecendo. Obrigada por tudo Ashley, mas tenho que ir. - peguei minha bolsa e me levantei pronta para sair.
-Me diz ao menos para onde você vai...
-Vou para a casa de campo onde eu costumava ir com o Zac. Preciso pensar. Por favor, Ashley, não diga a ninguém para onde estou indo. A única pessoa que preciso nesse momento é o Zac e se ele eu não tenho prefiro ficar sozinha.

Ashley assentiu e eu fui embora correndo. Todo mundo olhava para mim e com certeza estavam pensando o que teria acontecido. Cheguei em casa arrumei uma pequena mala, peguei meu carro e saí sem que ninguém me visse. Uma hora depois eu já estava deitada na cama onde eu e Zac dormíamos agarradinhos e passávamos noites repletas de juras de amor. Lá era o único lugar onde nenhum paparazzi nos perseguia e só nós dois o conhecíamos.

Passei o resto do dia e a noite toda me sentindo sozinha, literalmente. Estava chovendo e sempre tive medo de tempestades. As lágrimas corriam por meu rosto e o medo se alastrou por todos os poros do meu corpo. De repente ouvi batidas na porta. Congelei no meu lugar e o medo triplicou. Quem estaria ali a essa hora da madrugada e com essa chuva? Eu já tremia de medo e chorava compulsivamente. As batidas se intensificaram e ouvi meu nome sendo gritado. Era uma voz masculina. E eu conhecia essa voz como ninguém. Era ele. Desci as escadas correndo, tropecei em tudo o que tinha na minha frente e finalmente cheguei à porta. Assim que a abri eu o vi. Ele estava encharcado, mas lindo como sempre.

12 de janeiro de 2014

Um - Lembranças,saudades,lágrimas

Três anos se passaram desde que eu terminei com o Zac. E não me perguntem o porquê da 
minha decisão, pois nem eu mesma sei. Sinto falta daquele homem que sempre fazia de tudo para me ver feliz.  Ele foi o meu primeiro namorado. Foi a ele que me entreguei de corpo e alma. Mas... Nada é para sempre.  Nada é um conto de fadas. Ele sempre dava um jeitinho de estarmos juntos, devido ao pouco tempo que tínhamos. Nossas carreiras estavam um sucesso, nossas agendas lotadas, e o nosso namoro estava se desgastando. Passávamos semanas sem nos ver. Mas quando estávamos juntos, tínhamos momentos de puro amor. Mas... Não sei o que aconteceu comigo. Um dia antes do meu aniversário, eu estava fora de mim e acabei terminando tudo e lhe dizendo coisas horríveis. Zac nunca foi um cara de discutir, sempre respeitava minha opinião, e nesse dia não foi diferente. Pude ver a tristeza estampada naqueles lindos olhos azuis, que eu tanto amava olhar, e lágrimas se instalarem neles. Uma pontada de dor atingiu meu coração, mas algo dentro de mim não me deixou amolecer. Zac ouviu tudo o que eu disse calado, chorou em silêncio e antes de eu o expulsar da minha casa, ele simplesmente me puxou para ele e me deu um longo beijo. Não consegui resistir, afinal, eu era completamente viciada naqueles lábios finos e delicados. Ele separou seus lábios dos meus e sorriu. Fiquei hipnotizada olhando pra ele, e só saí do transe quando ouvi sua voz doce e terrivelmente rouca e sedutora dizendo que ele sempre estaria ali pra mim, que nunca deixaria de me amar e que queria que eu fosse feliz. Fiquei chocada com tamanha compreensão da parte dele. Ele me deu um último beijo na testa e foi embora. Depois disso, nunca mais nos falamos.


Austin Butler.  Mais ou menos um ano após o meu término com Zac, comecei a namorar Austin. O conheci através de Ashley.  Ela se martiriza até hoje por ter nos apresentado. Apesar de ser amiga de Austin, Ashley ama Zac como um irmão e segundo ela, ele ainda me ama. Papo furado, eu não acredito nela.  Afinal, se ele me amasse mesmo teria implorado para ficar comigo e não ficaria com aquela estúpida da Lily Collins e com outras mais. Mas voltando ao assunto principal. Austin está sempre ao meu lado. Às vezes até enjoa. Não gosto de uma pessoa na minha cola 24 horas por dia. E ele fez faz exatamente o que eu odeio.  Eu não o amo como gostaria, mas... Ele é legal e gosta de mim, pelo menos é o que ele diz. Minha irmã Stella não gosta dele. Na verdade ela o odeia e faz questão de implicar com ele.  Meus pais também não vão muito com a cara dele. Eles o acham fútil demais e dizem que ele só está comigo por causa da minha fama.  Ou melhor, muita gente me fala isso. Minha mãe disfarça bem. Ela o trata como um membro da família e sempre é gentil, mas meu pai, não faz questão nem de olhar pra ele. O que será que meu namorado tem que todo mundo odeia ele? Cara, ele não tem culpa se nasceu com uma testa enorme e se tem cara de ser meio bocó. O que foi? Apesar de ser meu namorado eu sei reconhecer os defeitos dele. Mas o que importa é que ele faz tudo por mim, parece até um pau mandado.


Depois que eu terminei com o Zac, meus pai e a Stella nunca mais foram os mesmos comigo.  Eles sabem de alguma coisa que eu não sei, mas nunca me contaram. E me sinto mal por isso. Mas isso não importa mais. Sim, me tornei uma pessoa egoísta, mas por dentro acho que continuo sendo aquela Vanessa que todos chamavam de pequena borboleta.  Apesar de tudo, uma coisa que só a Ash sabe é o meu verdadeiro sentimento. Ela me conhece como ninguém e sabe que eu ainda sou perdidamente apaixonada por aquele loirinho de safiras brilhantes que conheci há oito anos no set de High School Musical.  Sim, ainda amo o Zac com todas as minhas forças. Se ele me quisesse de volta, eu iria para os braços dele num piscar de olhos.

-Vanessa, que cara é essa? Hoje é seu aniversário! Sorria!- disse a Ashley chacoalhando meus ombros.
- Sim. Mais um aniversário sem ele. – eu abaixei minha cabeça e deixei cair uma lágrima.
- Amore, eu já disse que ele ama você, mas você é tão cabeça dura que não acredita em mim. Sou a melhor amiga dele, e posso te afirmar que ele ainda é louco por você.

- E eu sou completamente apaixonada por ele.
- Esse alguém sou eu?- perguntou uma voz já bastante conhecida por mim. Quando senti Austin me abraçar por trás tive medo que ele tivesse ouvido toda nossa conversa.
- Sim, meu querido, é você. - eu disse com certo sarcasmo na voz, que passou despercebido por ele, mas não por Ashley que soltou um risinho.
-Bom, amore, eu já vou indo! Mais tarde nos encontramos na sua festa. 

Assim que Ashley foi embora, Austin começou a me beijar, querendo algo que eu sabia, mas não queria dar. Cortei o barato dele dizendo que tinha aula de yoga e que eu precisava relaxar antes de ir para a festa.  Ele resmungou, mas aceitou e eu praticamente o enxotei da minha casa. Tudo o que eu queria era ficar sozinha com meus pensamentos e minhas lembranças.  Subi para meu quarto e entrei no meu closet pegando uma caixa preta de veludo, nomeada Minha preciosidade.  Era uma caixa grande, trancada com um cadeado dourado em forma de coração, e que ficava escondida em um fundo falso. Só Ashley e Stella sabiam dela. Era a caixa onde eu guardava tudo relacionado ao Zac. Nossas fotos, nossas revistas, nossos DVDs de HSM, alguns DVDs com extras especiais de nós dois que o Kenny havia nos dado, com cenas onde nos beijávamos durantes os ensaios, com cenas que nunca vou me esquecer. Na caixa havia também todos os presentes que Zac me deu durante os cinco anos de namoro, o nosso anel, o Kuippo, e um álbum dos nossos melhores momentos juntos. Na caixa tinha também uma camisa de Zac, que por incrível que pareça ainda tinha um pouquinho do perfume que ele usa, ou usava. Tirei tudo de dentro da caixa e joguei em cima da minha cama. As lágrimas que escorriam de meus olhos eram constantes e a saudade aumentava a cada objeito tocado ou foto vista. Uma hora se passou e eu já me encontrava deitada na cama apenas agarrada com a camisa dele, desejando que ele estivesse ali.

2 de janeiro de 2014

EM BREVE!!!

Ultimamente eu tenho pensado, sobre o que nós tivemos
Eu sei que foi difícil, isso é tudo que sabemos, yeah
Você já bebeu para fazer a dor ir embora?
Eu queria que eu pudesse te dar tudo que você merece
Pois nada nunca poderá substituir você
Nada pode me fazer sentir como você faz
Você sabe que não há ninguém que eu possa me relacionar
E sabe que nós não vamos encontrar um amor tão verdadeiro


Não há nada como nós, não há nada como eu e você
Juntos, através da tempestade
Não há nada como nós, não há nada como eu e você
Juntos


Eu te dei tudo, baby, tudo que eu tinha pra dar
Garota, por que você me afastou?
Perdido na confusão, como uma ilusão
Você sabe que eu costumava fazer o seu dia
Mas isso é passado agora, nós não duramos
Acho que isso era pra ser
Me diga, isso vale a pena? Nós éramos tão perfeitos
Mas baby, eu só quero que você enxergue


Não há nada como nós, não há nada como eu e você
Juntos, através da tempestade
Não há nada como nós, não há nada como eu e você
Juntos
Não há nada como nós, não há nada como eu e você
Juntos, através da tempestade
Não há nada como nós, não há nada como eu e você
Juntos

"EM BREVE NOTHING LIKE US"