7 de abril de 2014

Quatorze - Notícias

Acordei com a cabeça latejando de dor. Olhei em volta e vi que eu estava numa cama de hospital. Mamãe estava ao meu lado. Rapidamente, me veio à tona a imagem do médico desligando o aparelho de Zac. Meus olhos se inundaram de lágrimas e a dor forte e aguda voltou a preencher todo o meu interior.

-Mãe?- sussurrei seu nome com a voz embargada.

-Sim, filha? Está melhor? – ela se aproximou de mim e me beijou a testa.

-Mãe, o que fizeram com o Zac? – voltei a chorar.

Mamãe me abraçou bem forte e a dor que eu estava sentindo aumentava a cada segundo.

-Meu amor, não chore. Está tudo bem.

-Não, mãe. Não está tudo bem. Zac está morto. Como a senhora quer que eu não chore? Acabei de perder o amor da minha vida! Ele se foi pra sempre. Ele me abandonou.


-Vany, minha filha, se acalme. Zac não te abandonou. Ele está vivo. Segundos depois de você desmaiar, os sinais dele voltaram.

- O que? Como? Então Zac está bem?

Meu mundo se encheu de cor e vida. Zac estava vivo. Ele não me deixou.

-Temos que conversar meu amor. Bom, logo depois de você desmaiar Zac voltou a respirar, porém ele ainda está inconsciente. Ele apenas consegue respirar sem a ajuda de aparelhos. Mas ainda não há o que fazer. Temos de esperar que ele acorde.

-Mas isso já é alguma coisa, mãe. O que importa é que ele está aqui. Eu quero vê-lo.

Me levantei da cama apressadamente. Senti uma leve tontura, mas que logo passou.

-Calma aí mocinha. Vem que eu te ajudo.

Mamãe me abraçou e me levou ao quarto de Zac. Ele aparentemente estava bem. Seu rosto estava mais sereno. Fiquei horas ali, ao seu lado, apenas o olhando dormir e agradecendo a Deus por ele estar vivo. Já estava de noite e eu saí para comer um pouco. Quando voltei, Zac estava com os olhos abertos. Nem acreditei! Mais que depressa corri para perto dele e o abracei.

-Amor, você acordou. Oh meu Deus, obrigada.

Ele sorriu pra mim e me beijou carinhosamente. Que saudade daquele beijo. Ficamos ali namorando por longos minutos, até ele me dizer que queria ir ao banheiro. Mas aí algo inesperado aconteceu. Zac não conseguiu mover suas pernas. Ele tentou e eu o ajudei, mas ele disse que não sentia nada.

Rapidamente chamei o médico para examiná-lo. Depois de vários exames realizados, a família toda já estava reunida ali e a grande notícia foi dada: Zac estava paraplégico.
Ficamos boquiabertos com a notícia. Zac não conseguia acreditar. Notei em seus olhos uma grande tristeza o abater. O brilho que havia em seu olhar desapareceu por completo. Acho que fui a única a perceber tal coisa.

Aos poucos todos foram se retirando, ficando apenas Zac e eu no quarto. Ele estava de cabeça baixa. Sentei ao seu lado, na beirada na cabeça e passei minha mão por seus cabelos loiros e macios. Ele continuou olhando para as próprias mãos e então coloquei dois dedos em seu queixo, o levantando delicadamente. Assim que seus olhos bateram nos meus, notei lágrimas sofridas sendo impedidas de cair.

-Zac. Amor...

Aproximei nossos rostos. Rocei meu nariz no seu para logo depois, distribuir pequenos beijos por toda sua face. Testa, olhos, bochechas, nariz, queixo e por fim a boca. O beijo aconteceu de uma forma tão terna, que senti meu corpo amolecer nos braços de Zac. Segundos depois o beijo ficou salgado e logo notei que Zac finalmente havia deixado que as lágrimas caíssem. Fui separando nossos lábios com pequenos selinhos e quando estávamos literalmente afastados, peguei sua mão e a beijei.

-Amor... Eu sei que você tá triste. Imagino o que você deve estar sentindo. Bom, na verdade eu imagino que seja uma coisa horrível, mas...

-Eu não quero que você me deixe, Nessa.

Sua revelação me deixou perplexa. Então era por isso que ele estava assim? Ele estava com medo que eu o deixasse por ele estar paraplégico?

-Ei, olha pra mim. - segurei seu rosto entre minha mãos o fazendo olhar no fundo de meus olhos- eu não vou te deixar amor. Você não sabe como eu to feliz por você estar aqui. Não importa que esteja paraplégico. Não importa se estivesse sem um braço ou sem uma perna. A única coisa que me importa é que você está aqui. Aqui comigo. E eu vou cuidar de você. Vamos enfrentar tudo juntos. Vou te levar às fisioterapias. Vou fazer o que for preciso para te ajudar. E não se envergonhe por isso. Você foi é meu herói. Se não fosse por você, eu estaria morta. Você me salvou Baby Boo. E eu te amo tanto e continuarei te amando até depois do fim.


Ele não disse nada, apenas deixou um lindo sorriso se abrir em seus lábios. Retribuí o sorriso e tratei de colar nossos lábios dando início a mais uma longa sessão de beijos, carinhos e cheirinhos.
___________________________________________________________
Aqui está um capítulo quentinho pra vocês. Espero que gostem! Julie, Stephanie, Paula, Thata e Margarida obrigada por comentarem. Vocês são uns amores,hehe. Kisses =*

4 comentários:

  1. Ameeeeei. Agora sim, garota klsaklska. Amei, sério. Claro que nem tudo é um mar de rosas, mas tudo acontece por uma razão. Não demore a postar.
    Xx

    ResponderExcluir
  2. Que capítulo emocionante.
    Hoje eu tô mega sensível, ainda mais depois de ter assistido Sempre ao seu lado. Ai você pega e posta esse capítulo. Chorei mesmo.
    O capítulo ficou liiiindo.
    Amei amei, agora o amor dos dois vai ficar ainda mais forte.
    Posta logo
    Bjos, Rafa

    ResponderExcluir
  3. Adoreii o capitulo to chorando aqui *-*
    Posta logo outro,curiosa aqui hehe :)

    ResponderExcluir
  4. está lindo, rafa.
    me emocionei muito.
    eu amei, o capitulo está muito lindo, amiga.

    ResponderExcluir

Hi girls,deixem aqui suas opiniões!!!kisses